Overblog Suivre ce blog
Editer l'article Administration Créer mon blog
Praedicatho homélies à temps et à contretemps
Homélies du dimanche, homilies, homilieën, homilias. "C'est par la folie de la prédication que Dieu a jugé bon de sauver ceux qui croient" 1 Co 1,21

OS MAGOS OU O SEGREDO DA JUVENTUDE ETERNA (Mt 2, 1-12)

Walter Covens #homilias em português
epiphanie ev
    Vocês notaram, talvez, que nas minhas homilias desde o tempo do Advento, falei sucessivamente daquilo que diz respeito à vida humana, durante as suas primeiras étapas (da vida do embrião, a seguir da vida das crianças e dos adolescentes (Jesus aos 12 anos). Hoje, celebramos a Epifania do Senhor. Vai ser uma oportunidade para terminar o tempo de Natal com os jovens.

    « Epifania » quer dizer « manifestação », « aparição ». A glória de Deus manifesta-se num menino que é o Verbo encarnado. É uma solenidade ! Entre os nossos irmãos do Oriente, essa festa é celebrada como o verdadeiro Natal. Na verdade, a figura dos Magos, no evangelho desta solenidade da Epifania, apesar de parecer de pouco significado, longe de ser uma mera presença sem  qualquer importância, desempenha um papel importante na vida da Igreja, e na vida de cada um de nós.

    No entanto, só o evangelho de S.Mateus fala nos Magos… e só diz pouca coisa a propósito deles. Não diz donde vêm – a não ser do « Oriente » -, nem como se chamam, nem quantos são. Mateus fala para judeo-cristãos perseguidos pelos Judeus : quer mostrar-lhes que Jesus é realmente o Messias e que na visita dos Magos se realiza a profecia de Isaías : « As nações andarão à tua luz e os reis na tua  claridade nascente », e também o Salmo 72 : « Os reis mais longínquos, prostrados diante dele, os de Tarsis e de Saba, apresentarão as suas ofertas e tributo ». Por isso foi que a piedade popular, que não se deve menosprezar, haverá-de os chamar, não sem razão « Os Reis Magos ».

    A lenda haverá-de dizer que vinham da Pérsia. O simbolismo das prendas foi rapidamente interpretado : o ouro para a realeza de Jesus, o incenso para a sua divindade, a mirra para a sua humanidade. Foi Tertuliano (160-225) quem, o primeiro os tratou de « reis » (ao que parece). Origenes (185-250) adoptou o numero de três. Os nomes deles – Melquior, Baltasar, Gaspar- aparecem no século VII. No século XV, atribuiram-lhes origens étnicas diferentes : o branco Melquior, o amarelo Gaspar, e o preto Baltasar : é um simbolo do genero humano inteiro. Linda lição de anti-racismo ! Podemos ver também neles aqueles que reconciliam as gerações : foram representados nas três idades da vida : juventude, maturidade, velhice…

    Conforme algumas tradições, os Magos teriam sido baptizados pelo Apóstolo Tomás. Os corpos deles, levados do Oriente para Constantinopla por Santa Helena (IV° Século) teriam sido transferidos numa igreja de Milão. O arcebispo de Colónia obteve o direito de recuperar as relíquias deles para a sua catedral S.Pedro. Uma parte haverá-de ser mais tarde restituida a Milão. Estudos mostraram que as relíquias de Colónia são do princípio da era cristã e tem por isso uma grande probabilidade de autenticidade.

    Cheguemos agora aos jovens, e lembremo-nos de que João Paulo II tinha convocado os jovens do mundo inteiro em Colónia para as JMJ. Afinal Bento XVI foi quem realizou o desejo de J.P.II e foi como Papa na sua própria pátria. Por esta ocasião, tinha declarado :

« A cidade de Colónia não podia ser o que é sem os Reis Magos, que têm tanta influência na sua História, na sua cultura e na sua fé. Aqui, a Igreja celebra, durante todo o ano, duma certa maneira, a festa da Epifania ! Por causa disso foi que, antes de vos dirigir a palavra, eu quis recolher-me alguns instantes diante do relicário dos três Reis Magos, dando graças ao Senhor pelo seu testemunho de fé, de esperança e de amor. Levadas de Milão no ano de 1164, as reliquias dos Magos, escoltadas pelo Arcebispo de Colónia, Reinald von Dassel, atravessaram os Alpes antes de chegar à Colónia, onde foram acolhidas com grandes manifestações de alegria. A seguir, transportadas para vários sitios da Europa, as relíquias dos Magos deixaram marcas evidentes que ainda subsistem nos nomes de lugares e na devoção popular. Para os Reis Magos, os habitantes de Colónia mandaram fazer o relicário mais precioso de todo o mundo cristão, e como isso não chegava, ergueram por cima dele um relicário ainda maior, esta magnífica catedral gótica que, depois das feridas da guerra, se oferece novamente aos olhos dos visitantes com todo o esplendor da sua beleza. Com Jerusalém, a « Cidade Santa », com Roma, a « Cidade eterna », com S.Tiago de Compostela na Espanha, Colónia, graças aos Magos, tornou-se, ao longo do tempo, um dos lugares de peregrinação mais importantes do Ocidente cristão. »

    O tema escolhido para estas JMJ – «  Vamos adorá-lo »- continha duas imagens importantes. Em primeiro lugar a imagem da peregrinação « VAMOS… », é a imagem do homem que, ao olhar para além das suas ocupações e do dia a dia, começa a procurar o seu destino essencial, a verdade, a via justa, de Deus .Numa sociedade em que o poder de compra é rei, essa prioridade está muito em perigo !

    Aquela imagem do homem em marcha para a meta da sua vida continha ainda duas indicações claras. Havia, em primeiro, o convite para não ver o mundo que nos envolve só como a matéria com que podemos realizar alguma coisa, mas ainda para procurar descobrir nele a «caligrafia  do Criador », a causa criadora e o amor donde nasceu o mundo e de que nos fala o universo, se formos atentos, se os nossos sentidos interiores  se acordarem e adquerirem a percepção das dimensões mais profundas da realidade.

    Outra imagem contida no tema das JMJ : o do homem em adoração : « Viemos ADORÁ-LO ». Antes de toda a actividade e de toda a transformação do mundo, é preciso ADORAR. Só ela nos torna verdadeiramente livres ; só ela nos da critérios para agir. Precisamente num mundo em que os critérios de orientação chegam progressivamente a fazer falta, em que existe a ameaça de que cada qual invente  o seu próprio critério, é fundamental salientar a adoração. Para todos quantos estavam em Colónia para as JMJ, o silêncio intenso de um milhão de jovens no momento em que o Senhor estava exposto no altar fica inesquecível.

A reacção contra um mundo  cheio de barulhos e à procura de silêncio, um mundo desnorteado em busca de sabedoria, influencia o sucesso obtido por filosofias extremo-orientais. Mais profundamente, esse manifesta uma sede muito tempo recusada de transcendência, da busca de ordem realmente mística. Por causa disso, ele é o sintoma duma carência grave no cristianismo ocidental contemporâneo. Este, não tendo oferecido muito o melhor da sua própria tradição espiritual, era inevitável que as pessoas busquem sucedâneos. Entre quantos meios cristãos a « mística », num sentido sempre pejorativo, não era estigmatizada como perigosa ? (« Des bords du Gange aux rives du Jourdain », p. 5-6)

    Nunca me esquecerei da censura do pároco da paróquia onde estive durante um ano ( era o primeiro ano do meu sacerdócio !) : « Sabes, aqui, as pessoas não são místicas ! ». Mas, quando tive de deixar essa paróquia, por causa de ser nomeado pároco noutra, uma paroquiana tinha-me dito : « Senhor Vigário, obrigada ! Ensinou-nos a rezar novamente ». E verificamos tantas vezes que, em muitas igrejas, os padres já não expõem o Corpo do Senhor à adoração dos fiéis, e que, ao entrar numa igreja os católicos não fazem mais a genuflexão e ficam de pé na consagração, quando não estão sentados…

(…) Numa palavra, depois de privilegiar o empenhamento socio-politico e a eficácia da acção (isso, é verdade, em reacção contra uma época de « devoções » destacadas do real : caricaturas duma espiritualidade autêntica), em detrimento da adoração contemplativa, deixaram morrer de sede os nossos irmãos, junto a poços cuidadosamente barricados. Pôr-se a caminho das nossas fontes, essa é a melhor maneira de responder às aspirações religiosas do homem ocidental ». (Des bords du Gange… » p. 5-6)

    Escutemos portanto o aviso de Isaías, antes que seja tarde demais par nós. Já é tarde para tantas crianças, jovens adultos, caídos no desespero, e depois na morte, por falta de adoração (cf. o livro profético do Padre Molinié : « Adoration ou désespoir »

« Porque este povo não quer as águas de Siloé que correm docemente, as águas poderosas e fundas subirão do rio : do seu leito, ele sairá, passará por cima das ribas, inundará, trasbordará, submergirá toda a superfície do teu país. » (Is 8, 5-8)

     S. Paulo precisa de que rio se trata :

« O Espírito anuncia claramente que, nos últimos tempos, abandonarão a fé, por se ter deixado guiar no erro por espíritos falsos e por falsas doutrinas vindas do demónio ». (1 Tim 4, 1-2)

    Alice BAILEY pessoalmente, e sabia de que falava, confirmará contra a sua vontade :

« Lucifer é quem reina sobre a humanidade… pelo menos, ele é a estrela que a guia ; ele é a estrela que guia actualmente o movimento New Age. »

    A cada qual a sua estrela…

    No seu livro, « Christian response to the occult », Tom Poulson escreve :

« Quem chegar ao degrau de cima da Maçonaria verá que se trata de adoradores de Lucifer. »

    Sim, como o milhão de jovens presentes em Colónia o podem atestar , João Paulo II  tinha razão quando escrevia : « Temos que confessar que precisamos todos daquele silêncio cheio da presença divina ». (Orientale lumen, 16)

    Como ele , como eles, ponhamo-nos à escola dos Magos, para que nos ensinem o segredo da juventude eterna, que também é o segredo da « muito grande alegria » (Mt 2,10)

agharti 05/07/2007 00:35

Bom Texto.Parabéns

RSS Contact